"A Justiça não pune esses vermes”: diz Marinho do Santos sobre comentário racista

O jogador do Santos Futebol Clube, Marinho, respondeu à declaração racista do comentarista Fábio Benedetti

Foto: SuperesportesMarinho
Marinho

Santos x Ponte Preta jogaram nesta quinta-feira (30) pelo Campeonato Paulista. O jogo definiria o time que vai às semifinais do Paulistão. Deu Ponte Preta. 

O Santos começou jogando abrindo o marcador com o jogador Marinho. Mas, ao final do primeiro tempo, o jogador acabou expulso do jogo e a Ponte Preta venceu a partida. 

Muitos responsabilizaram Marinho pela exclusão do Santos do Campeonato Paulista. Mas o comentarista esportivo do jogo foi além da conta. Como Marinho é preto e o Brasil é um país racista não deu outra: comentário racista e desrespeitoso no rádio. 

Marinho não deixou barato e respondeu o agressor.

Veja matéria do DCM:

O jogador do Santos Futebol Clube, Marinho, respondeu à declaração racista do comentarista Fabio Benedetti, da rádio “Energia 97”, durante a transmissão de Santos x Ponte Preta, pelas quartas de final do Campeonato Paulista.

Questionado sobre o que diria ao santista, expulso no primeiro tempo da partida, em um suposto grupo de Whatsapp do qual os dois fariam parte, Benedetti afirmou: “Eu vou falar assim: ‘Você é burro, você está na senzala, você vai sair do grupo uma semana para pensar sobre o que fez.'”

Depois do jogo, Marinho fez um longo desabafo nas redes sociais, e chamou os racistas de “vermes”.

“Toda vez eu defendo a bandeira porque você passa por isso na pele. E quando você passa, você sofre. Quando acontece com a gente, a gente sente mais. Por isso eu brigo pela causa porque quando a gente passa na pele é horrível. E a gente não pode deixar passar. Sei o valor que tenho. Antigamente, eu não tinha voz ativa, então, passava despercebido. Todo mundo passa por isso. Quando acontece com quem não tem voz ativa, baixa a cabeça e anda. Eu sempre brigo pela causa porque hoje eu tenho voz ativa. E quando acontece com quem tem voz ativa, isso só mostra que quem não tem voz ativa passa por coisas piores. Temos aceitado muito disso, e a Justiça não pune esses preconceituosos, vermes. Mas Deus perdoa”, disse o atleta.