Eleições 2024

Fábio Novo na Fórum: Teresina terá que ser reconstruída

Confira os principais trechos da entrevista


Presidência da República Fábio Novo na Fórum: Teresina terá que ser reconstruída
Presidente Lula, ministro Wellington Dias, governador Rafael Fonteles e Fábio Novo durante a Caravana Federativa no Piauí

O pré-candidato à Prefeitura de Teresina Fabio Novo pelo PT tem 49 anos, mas já soma mais de 30 anos de trajetória política. Aos 19 foi eleito vereador em Bom Jesus, no Sul do Piauí. Naquela cidade assumiu a Secretaria Municipal de Educação e Cultura e a vice-prefeitura, de 2005 a 2007. É formado em Jornalismo pela Faculdade Santo Agostinho e Pedagogia pela Universidade Federal do Piauí. Foi presidente da Executiva Estadual do Partido dos Trabalhadores no Piauí por dois mandatos consecutivos. Assumiu uma cadeira na Assembleia Legislativa do Piauí, pela primeira vez, em 2008, tendo sido reeleito em 2010, 2014, 2018 e 2022. Foi secretário de Cultura no terceiro e no quarto governo Wellington Dias no estado. Em 2020, foi candidato a prefeito de Teresina, quando obteve 47.573 votos, ou seja, 11,5% dos votos válidos e ficou em quarto lugar na disputa.

Nesta eleição de 2024, Fabio Novo conseguiu unificar dez partidos em torno de seu nome e as chances de ser eleito são grandes.

Segundo levantamento divulgado pelo Instituto Datamax, realizado entre os dias 28 de junho e 1 de julho, com 2000 eleitores de Teresina, Fábio Novo aparece com  51,46% das intenções de voto, em segundo lugar, está Silvio Mendes (União Brasil), com 45,10%. O atual prefeito Dr Pessoa (PRD) tem apenas 3,44%.

Fabio contará ainda como cabos eleitorais o atual governador petista Rafael Fonteles e Lula. Segundo levantamento do Instituto Datamax, divulgado em maio, o governador tem 87,26% de aprovação e o presidente Lula 76,78% no Piauí.

Nesta entrevista concedida aos jornalistas Renato Rovai e Dri Delorenzo, no programa Fórum Onze e Meia na TV Fórum, Fabio Novo fala sobre propostas para Teresina, como o Orçamento Participativo e a tarifa zero, e o processo de escuta que vem fazendo com a população de Teresina, que inclui visitas nos bairros e colaboração da população na construção do plano de governo.

Confira a seguir os principais trechos da entrevista.   

Secretário de Cultura de Piauí

Quando fui chamado para esse desafio, muitos dos meus amigos me aconselharam a não ir. Porque é uma pasta que tem poucos recursos. E até na época, o governador Wellington me perguntou o que você vai fazer de novo na cultura? Eu digo, de novo, só o Fábio Novo. Mas se conseguirmos recuperar todo o patrimônio cultural que hoje tem da Secretaria de Cultura do Estado, aí sim será a grande novidade.

Então, fizemos um planejamento durante o período que ficamos na pasta, e nesse planejamento conseguimos recuperar todo o patrimônio cultural que pertence à Secretaria de Cultura do Estado. Recuperamos teatros, museus, bibliotecas, implementamos um programa aqui de transformação de cadeias públicas abandonadas em municípios que não tinham nenhum espaço de cultura, e ressignificamos esses espaços, transformando, por exemplo, em espaços de cultura.

Eu dou sempre o exemplo da cadeia de São João do Piauí, que é uma cidade que fica no semiárido, que se transformou numa biblioteca. Da cadeia mais antiga do Piauí, de 1851, que nós mantivemos a fachada original, e que lá se transformou no espaço Amélia Beviláqua.

Amélia Beviláqua é uma piauiense que foi esposa de Clóvis Beviláqua, o nosso autor do Código Civil de 1916, e foi a primeira mulher brasileira piauiense, filha da cidade de Jerumenha, um dos centros de povoação mais antigos do Piauí, que ousou colocar seu nome, ali nos anos 30, para a Academia Brasileira de Letras. Naquele tempo, as mulheres não podiam concorrer. Obviamente que o nome de Amélia não foi aceito, e Clóvis, inclusive, terminou renunciando à sua cadeira na Academia Brasileira de Letras. Então, essa cadeia em Jerumenha leva o nome de Amélia Beviláqua, e hoje é um espaço de cultura, de leitura, onde se reúne os grupos culturais da cidade.

Esse trabalho terminou sendo reconhecido aqui no estado. E na capital, onde tem mais equipamentos de cultura, nós revitalizamos todos esses equipamentos. Isso terminou dando uma visibilidade ao nosso nome.

Fabio Novo candidato em 2020 e gestão desastrosa de Dr Pessoa

Em 2020, não era um ambiente favorável. Tínhamos o bolsonarismo em alta, o antipetismo muito em alta. Nós colocamos o nosso nome à disposição. Terminamos o final da campanha com cerca de 12% dos votos, em quarto lugar aqui, e continuamos insistindo.

Hoje é um ambiente totalmente diferente. A cidade experimentou uma gestão que é uma das mais desastrosas da história de Teresina, com um prefeito que tem 90% de desaprovação, onde o sistema de saúde faliu por completo na cidade.

O sistema de transporte, que já era ruim, também faliu. Hoje temos uma cidade que precisa ser reconstruída. E, a partir daí, começamos a dialogar com a cidade, a andar em todos os bairros. O nosso nome foi crescendo. No ano passado, quando iniciamos essa jornada, aparecemos com 6% de intenções nas pesquisas de opinião.

“Banho de povo”

E hoje, graças a Deus, por esse andar na cidade inteira, fazendo um grande processo de escuta, e aqui eu ouso dizer que a gente fez o maior processo de escuta da história da cidade. Nós abrimos um site, uma plataforma, onde as pessoas podem contribuir para o nosso plano de governo.

Foram mais de 10 mil contribuições. Nós também fizemos plenárias zonais em cada zona da cidade, e visitamos os 133 bairros da cidade por duas vezes. Já estamos fazendo isso pela terceira vez. E isso culminou com um processo que, em maio passado, nós chegamos a fazer o Junta Teresina, que foi um evento que reuniu mais de 20 mil pessoas para apresentar, de forma preliminar, o nosso plano de governo por todo esse processo de escuta que fizemos por mais de um ano na cidade.

Nome do atual governador Rafael Fonteles para Teresina

O Rafael foi o nosso secretário de Fazenda por sete anos do governo Wellington Dias ali no período da pandemia. Ele já mostrou muita competência, porque naquele período da pandemia as receitas dos estados e municípios despencaram.

O Rafael, inclusive, conseguiu organizar ainda mais as receitas, puxou os salários dos funcionários para pagamento dentro do mês, organizou e conseguiu pagar todas as contas. Então, gestor bom não é o gestor do período de vacas gordas. É o gestor que consegue fazer mais com menos no período das vacas magras. Foi isso que o Rafael fez. Se projetou, então, como um grande técnico. A gestão tem sido muito técnica. Nós estamos vivendo alguns casos de sucesso do governo Rafael, que hoje o Brasil inteiro começa a ter um olhar especial para o Piauí.

Orçamento participativo em Piauí

Eu te cito aqui um exemplo que começou lá em Porto Alegre e sempre foi uma bandeira do nosso partido. Orçamento participativo. Nós estamos no segundo ano do governo Rafael, onde nós temos aqui um orçamento participativo digital. Ele começou o orçamento participativo definindo um valor de orçamento no ano passado para as duas maiores cidades do Piauí, Teresina e Parnaíba, com a ajuda de um aplicativo e da tecnologia.

As associações de moradores podem propor até três propostas, elas são avaliadas e depois a pessoa que mora naquele bairro, naquela comunidade, escolhe o que quer. E, através da votação, ela vai escolher o que ela quer para o seu bairro.

Só para você ter uma ideia, no ano passado, nas duas maiores cidades do Piauí, Teresina e Parnaíba, 52 mil pessoas votaram e elegeram mais de 80 propostas para o que querem para os seus bairros. Nesse exato momento, nós estamos em julho, praticamente 70% dessas obras já foram realizadas.

Então, é um governo democrático que chama o povo também para dizer o que quer, o que ele deseja para o seu bairro. Fez tanto sucesso o nosso orçamento participativo digital que ganhou um prêmio nacional do Colab. E, este ano, o governador expandiu, além de Teresina e Parnaíba, Picos, Floriano e Piripiri. As cinco maiores cidades do estado participaram do orçamento participativo.

E, no ano passado, nós tivemos 52 mil piauienses votando para escolher. Este ano já foi para 163 mil piauienses que votaram para escolher o que querem para a sua comunidade. Então, é um sucesso absoluto. Isso é um caso de sucesso que a gente está vivendo aqui, do seu governo.

Saúde digital em Piauí

A gente fez aqui um experimento com a ajuda de uma startup piauiense. O nosso caso de sucesso é a cidade de Piripiri, onde juntou lá agente comunitário de saúde, com tecnologia, a prefeita da cidade e o governo juntos.

Nós implantamos um sistema naquela cidade que permite 12 tipos de consultas você fazer com a ajuda de uma videochamada. E aí, quando não resolve, você chega no posto de saúde que também tem internet de alta velocidade disponível.

Conseguimos em seis meses zerar a fila dessa cidade que estava precisando de consultas. Depois, foi feita também uma central de imagens lá que está toda interligada por internet de alta velocidade. Então, você faz uma ressonância magnética em Piripiri, um médico de São Paulo, de Teresina, está vendo toda a ressonância magnética que está sendo feita lá e a pessoa já sai de lá com o celular.

Resultado, em seis meses da saúde digital naquela cidade, zerou a fila de pessoas que precisam de consultas e exames. E aí, o que é bacana disso? Esse programa consegue hoje dar um diagnóstico de uma política pública que deve ser implementada na cidade, porque você conseguiu mapear.

Você sabe hoje quem tem pressão alta, você sabe hoje quem tem diabetes. Aqui veio o Ministério da Saúde e colocou o programa como referência hoje para que seja implementado.

A partir deste ano, a maioria dos municípios do Piauí estão aderindo à saúde digital. Lamentavelmente, apenas duas cidades até agora do Piauí não aderiram. No caso Teresina, porque o prefeito daqui tem rixa política com o governo, como também o de Parnaíba, que é a segunda maior cidade.

Mas hoje é um grande sucesso. O Ministério da Saúde veio aqui, atestou e é uma das coisas que eu pretendo levar para a prefeitura de Teresina.

Tarifa zero em Teresina

É o que nós estamos discutindo. Eu viajei várias cidades do Brasil que já implementaram tarifa zero. Estive em São Paulo. Hoje tem 13 mil ônibus rodando.

São Paulo já implementou tarifa zero para o estudante municipal e estadual. Já tem alguns anos. No final de semana já tem essa experiência, como São Luís já tem para o trabalhador. Fortaleza acabou de implementar também para o estudante da rede estadual e municipal.

É organizar. Teresina hoje tem apenas 200 ônibus rodando. No nosso plano de governo, no primeiro ano é fazer o quê? Voltar a ter 450 ônibus rodando. E aí nós vamos ter que investir 70 milhões por ano no orçamento do transporte, que hoje é 30 milhões.

É perfeitamente possível. Nós já fizemos as contas. As cidades que implementaram tarifa zero não quebraram. Pelo contrário, quando você dá o direito de ir e vir das pessoas, geralmente as pessoas vão para onde? Vão para o trabalho. Se ela vai trabalhar, ela vai gerar mais imposto, sem aumentar imposto, porque a prefeitura termina recolhendo mais.

Então, dos estudos feitos, das mais de 100 cidades que hoje tem tarifa zero, apontam nesse sentido. Nós fizemos um planejamento aqui com os nossos técnicos. Primeiro ano, bota para rodar 450 ônibus. O presidente Lula, no PAC, já colocou à disposição de Teresina 100 milhões para começar a comprar ônibus elétricos.

Ônibus elétrico não polui e faz reduzir o custo do sistema. Hoje, metade do custo do sistema em Teresina, de transporte, é o que? É combustível e manutenção. Então, se eu começo a ir trocando a frota e a ideia é que a cada ano eu possa colocar 100 ônibus elétricos, então, no segundo ano de gestão, eu começo a colocar ônibus elétrico, a passagem aqui custa R $ 4,00, eu reduzo para R $ 3,00.

No terceiro ano, eu boto mais 100 ônibus elétricos, eu vou reduzir para R $ 2,00. E aí, eu vou ter aqui uma parceria com o governador que vai me ajudar a reduzir ainda mais o ICMS para o óleo diesel, para custos que tem. Tem uma lei estadual que nós aprovamos que o governo do estado pode repassar recursos para ajudar também.

Situação atual de Teresina

Isso está alinhado no nosso plano de governo com o governador Rafael. Na verdade, nós vamos precisar e o que tem conquistado a cidade de Teresina, a nossa caminhada, é que aqui nós temos que esquecer de diferenças políticas e pensar em salvar a cidade. A cidade está muito ruim, muito ruim mesmo.

Hoje, no nosso posto de saúde, você não consegue mais dar o remédio de pressão de diabetes para as pessoas que estão precisando. Então, nós vamos ter que fazer um grande pacto para salvar a cidade. Nesse pacto, cabem todas e todas que quiserem reconstruir a cidade de Teresina.

Por isso que a gente conseguiu formar uma frente ampla de 10, 11 partidos hoje que estão caminhando conosco e cada vez mais as pessoas estão compreendendo que para salvar a cidade é preciso um alinhamento com o presidente Lula, é preciso um alinhamento com o governador Rafael Fonteles, com a bancada federal, com a bancada estadual, para que a gente possa trazer mais recursos para a cidade e botar para funcionar saúde.

Segurança pública 

O governador Rafael investe muito em segurança, é uma das principais bandeiras do governo. Então, o governador Rafael foi eleito prometendo chamar 4 mil novos homens e mulheres para as forças de segurança do estado. No primeiro ano de governo, ele já cumpriu metade da meta para os quatro anos, chamou 2 mil, comprou mais carros, investiu em inteligência e o Piauí hoje tem um protocolo de devolução de celular roubado que está sendo copiado pelo Ministério da Justiça.

Conseguimos baixar os níveis, homicídios caiu 40%, roubo de celular caiu 50% em um ano e meio. Bom, ainda é um grave problema, mas o governo está fazendo a sua parte. O município tem a Guarda Municipal, nós temos 300 homens e mulheres na Guarda Municipal, mas é uma Guarda Municipal que não se comunica com as forças de segurança do estado.

Guarda Municipal integrada com as forças de segurança do estado podem juntos fazer mais blitz, podem juntos fazer mais rondas. Teresina tem um centro de comando que custou quase 40 milhões de reais para a Prefeitura. Está fechado, é um centro de comando, uma sala grande com televisões, câmeras espalhadas pela cidade.

Esse centro de comando precisa abrir e precisa funcionar. E funcionar também fazendo o quê? Fazendo, obviamente, uma integração com as forças de segurança do estado. Então, em resumo, eu pretendo aqui me integrar com as forças de segurança do estado.

Por que juntos? E aí eu dou um exemplo hipotético. Se tem mil policiais para Teresina e tem 300 guardas municipais juntos, fazendo um planejamento, nós podemos dar uma sensação de segurança e promover mais segurança para o município.

Escolas abertas para a comunidade em Teresina

Não só isso, nós temos que investir também em equipamentos, equipamentos sociais. Eu sou professor e sou jornalista. Quando fui secretário de Educação, implementei uma medida de abrir as escolas nos finais de semana, com atividade cultural, com atividade esportiva e com cursos profissionalizantes para as comunidades.

Aí eu vou trazer a comunidade para dentro da escola. É um bom remédio contra a violência. Você não precisa construir mais nada, porque você já tem uma escola. Geralmente, a escola tem um pátio, tem uma quadra e tem salas de aula. Então, isso, em vez de ficar fechado no final de semana, é melhor abrir e colocar atividades culturais e esportivas.

Também fazer em cada zona da cidade experiências como a que eu fiz aqui do CSU, do Parque Piauí. Nós tínhamos aqui na zona sul de Teresina, a maior zona da cidade, um centro social urbano que estava abandonado. Então, na Secretaria de Cultura, quando eu estive lá, nós recuperamos esse espaço.

Esse espaço tem uma piscina semiolímpica, que hoje funciona com aulas para crianças autistas. Natação e hidroginástica para as pessoas da melhor idade. Todos os relatos apontam que é um grande sucesso. Tem uma quadra de esporte, que hoje tem atividades esportivas.

Tem uma escola de circo, tem um teatro, tem oficinas para cursos profissionalizantes. Eu vou te dar um dado. Em um ano e meio, esse CSU funcionando, em cursos para juventude, conseguiu capacitar 30 mil jovens, e muitos já saem para o mercado de trabalho.

Então, equipamentos como esse precisam ser revitalizados em cada área da cidade. Não apenas termos a polícia, termos apenas a guarda municipal. É preciso que nós tenhamos equipamentos como esse, que formem, que capacitem.

Investir fortemente no esporte, na cultura, na educação, e em escola de tempo integral. Quanto mais tempo tivermos as nossas crianças em uma escola, elas aprendem mais. E é uma boa vacina contra a violência e o mundo das drogas.

Com informações da Fórum

Deixe sua opinião: