Pensar Piauí

Vídeos: veja detalhes do que Bolsonaro disse em reunião golpista com ministros

O encontro, realizado no Palácio do Planalto, contou com membros de alto escalão do governo.

Foto: Ton Molina/Fotoarena/Agência O GloboBolsonaro
Bolsonaro

 

Em 5 de julho de 2022, o então presidente Jair Bolsonaro (PL) promoveu uma reunião ministerial, agora destacada pela Polícia Federal (PF) como tendo teor golpista. O encontro, realizado no Palácio do Planalto, contou com membros de alto escalão do governo.

Durante a reunião, os participantes elaboraram uma estratégia para atacar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e questionar a credibilidade das urnas, conforme evidenciado em um vídeo encontrado no material do tenente-coronel Mauro Cid, apreendido pela PF.

Este conteúdo veio à tona como resultado de buscas e apreensões autorizadas pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, como parte das investigações em curso.

O propósito da reunião era fortalecer o discurso de desinformação contra a Justiça Eleitoral, alegando que as Forças Armadas e os órgãos de inteligência do governo possuíam evidências de fraudes.

Além de Bolsonaro, participaram da reunião com teor golpista os ministros Anderson Torres (Justiça), Augusto Heleno (GSI), Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira (Defesa), Mário Fernandes (Secretaria-Geral) e Walter Braga Netto (ex-Casa Civil), que também foi postulante a vice na chapa do então presidente naquele ano.

Conforme apontado por Moraes, o vídeo revela a existência de uma “arranjo de dinâmica golpista” no primeiro escalão do governo federal à época, meses antes das eleições presidenciais de 2022:

“A descrição da reunião, nitidamente, revela o arranjo de dinâmica golpista, no âmbito da alta cúpula do governo, manifestando-se todos os investigados que dela tomaram parte no sentido de validar e amplificar a massiva desinformação e as narrativas fraudulentas sobre as eleições e a Justiça eleitoral”.

Veja os vídeos:

“A esquerda vai ganhar as eleições e vai ser o caos”


Bolsonaro diz que o golpe deve ser dado antes da eleição: “Vamos ter que fazer alguma coisa”


“A OAB vai dar credibilidade para a gente”


“O que está em jogo é a porra da liberdade”


 “TSE cometeu um erro” ao chamar as Forças Armadas para participar do processo eleitoral


“Eu estar nesta cadeira é uma cagada”


Com informações do DCM

ÚLTIMAS NOTÍCIAS