Prefeito demite professor gay que exibiu clipe de Criolo: “Viadagem”

Profissional de ensino mostrou aos alunos o vídeo de "Etérea", com temática LGBTQIA+. “Não toleramos", justificou o prefeito Clésio Salvaro

Foto: YouTubeClip Criolo
Clip do cantor Criolo

Metrópoles- Um professor de artes da rede municipal de ensino de Criciúma (SC) foi demitdo na quarta-feira (25/8) pelo prefeito da cidade, Clésio Salvaro (PSDB). A “falha” do professor, que é gay, foi ter exibido aos seus alunos o clipe da música “Etérea”, do cantor Criolo, que tem temática LGBTQIA+. O prefeito justificou a demissão: “Viadagem”. 

Nas redes sociais, Salvaro alegou: “Não permitimos, não toleramos, está demitido o profissional. Nas escolas do município, enquanto eu estiver aqui de plantão, isso não vai acontecer, esse tipo de atitude, essa ‘viadagem’ na sala de aula, nós não concordamos”.

Não satisfeito, o prefeito pediu para que pais de alunos denunciem atividades parecidas: “E se os pais souberem de algo parecido que foi exposto para os seus filhos, por favor, entrem em contato com o município”.

Não toleramos vídeos erotizados nas escolas de Criciúma! ❌

Vídeos erotizados sendo exibidos em salas de aula? Isso a gente não tolera em HIPÓTESE ALGUMA nas escolas municipais de Criciúma. Pronto e ponto! . #ClesioSalvaro #Criciuma #SantaCatarina #Educacao

Posted by Clésio Salvaro on Wednesday, August 25, 2021


O vídeo de “Etérea” foi apresentado na terça-feira (24/8) para alunos de 14 e 15 anos, que integram o 9º ano da Escola Municipal Pascoal Meller.

Assista:


Pelo Twitter, o cantor Criolo lamentou o episódio e lembrou que o clipe e o documentário já foram exibidos em mais de 30 festivais de cinema e instituições de arte, música e dança.

“Compartilhamos orgulhosamente o documentário novamente aqui, na esperança de que ele possa chegar mais longe, com mais pessoas entendendo e refletindo sobre o que acontece em nosso território e como o Brasil se tornou o país que mais mata sua população LGBTQIA+ em todo o planeta”, afirmou no post.

Conteúdo inapropriado

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação de Criciúma afirmou que o conteúdo do vídeo é inapropriado e não consta no Plano de Ensino da Rede e que, por isso, está em desacordo com a proposta do Conselho Nacional de Educação e não será tolerado pela administração.

Segundo a presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Criciúma e Região (Siserp), Jucélia Vargas, o próprio professor, que tinha vínculo temporário com o município, pediu exoneração do cargo diante de ameaças e ataques que passou a sofrer depois da repercussão do caso.

Ela contou que o profissional, que é gay, pretende se mudar do município por causa dos ataques que vem sofrendo. A reportagem tentou contato com o professor, mas não obteve retorno.