Pensar Piauí

Leonardo Sakamoto: Máquina bolsonarista de espionagem é um dos maiores escândalos da República

Mais de 30 mil pessoas foram alvos de monitoramento ilegal por parte do governo Jair Bolsonaro.

Foto: Reprodução/Marcos Corrêa/PRO então presidente Jair Bolsonaro e Alexandre Ramagem durante evento na Abin, em 2020
O então presidente Jair Bolsonaro e Alexandre Ramagem durante evento na Abin, em 2020

 


Por Leonardo Sakamoto, jornalista, via DCM

A operação da Polícia Federal contra o ex-diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ), vem se desenhando como a ponta do iceberg da máquina de espionagem de Jair Bolsonaro entre 2019 e 2022. Pelas informações até o momento, podemos dizer que esse é um dos maiores escândalos desde o fim da ditadura militar.

Utilizando um software israelense que consegue monitorar a movimentação de pessoas utilizando o celular, o governo Bolsonaro espionou Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes, ministros do Supremo Tribunal Federal, segundo a Polícia Federal, como trouxe Natália Portinari, no UOL. O objetivo era buscar elementos para respaldar a mentira contada pelo bolsonarismo de que ambos têm relação com o PCC.

Mas também o então presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia – que disse ao UOL que desconfiou que estava sendo monitorado por conta das informações que vazaram sobre onde ele estava e com quem.

Mais de 30 mil pessoas foram alvos de monitoramento ilegal por parte do governo Jair Bolsonaro. Entre eles, estariam governadores, parlamentares, jornalistas, advogados e até pessoas do entorno dos filhos do ex-presidente. Sim, o software espião também foi usado como babá eletrônica.

Bolsonaro, que já havia instalado o Gabinete do Ódio nas dependências do Palácio do Planalto para fim de atacar adversários e jornalistas, ao que tudo indica criou também uma estrutura muito pior, que atropelava garantias constitucionais e liberdades individuais, esvaziando a privacidade e fazendo arapongagem na vida pessoal e profissional de milhares de brasileiros.

Isso mostra o comportamento de um governante de estado autoritário, que zela por tudo e por todos para garantir a sua perpetuação no poder.

Essa constatação não é exatamente surpreendente. Quando ele ainda era candidato à Presidência da República, em 2018, os que tinham apreço pela democracia avisaram que ele dobraria as instituições do Estado brasileiro às suas próprias necessidades.

Na fatídica reunião ministerial de 22 de abril de 2020, isso ficou explícito. “Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meus, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence à nossa estrutura. Vai trocar! Se não puder trocar, trocar o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui pra brincadeira”, disse ele.

Bolsonaro queria Alexandre Ramagem como diretor da PF. O então ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro acabou pedindo demissão ao bater de frente com ele por conta disso.

Ele falou sério quando disse “não estamos aqui pra brincadeira”. Ao longo de seu mandato, você enfraqueceu ou sequestrou instituições públicas do Poder Executivo voltadas ao monitoramento e controle.

As informações que começam a surgir agora da investigação da Polícia Federal sobre a Abin são apenas o começo. É necessário aprofundar a investigação não apenas para outras formas de espionagem pela Abin (o First Mile não era o único programa de espionagem disponível no mercado que chamou a atenção do governo passado), mas também por outras instituições que podem ter sido usadas pelo bolsonarismo, como a Receita Federal.

Diante de tudo isso, Alexandre Ramagem é, sem dúvida, o mais bem informado pré-candidato à Prefeitura do Rio. A tal ponto que você pode perder apoio para a empreitada.


Originalmente publicado no UOL

ÚLTIMAS NOTÍCIAS