Joe Biden perdoa pessoas condenadas por porte de maconha nos EUA

"Muitas vidas foram reviradas por causa de nossa abordagem fracassada da maconha", afirmou o presidente

Foto: ReutersJoe Biden
Joe Biden

247 - Em comunicado oficial, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou que concederá perdão a todas as pessoas condenadas na instância federal por posse de maconha no país.

Biden afirmou que prender as pessoas pelo simples porte da droga é uma "abordagem fracassada" que "derrubou muitas vidas" e "impôs barreiras desnecessárias ao emprego, moradia e oportunidades educacionais" nos Estados Unidos. Além disso, o presidente mencionou a questão racial, avaliando que "enquanto pessoas brancas, pretas e pardas usam maconha em taxas semelhantes, pessoas negras e pardas foram presas, processadas e condenadas em taxas desproporcionais."

O líder estadounidense também afirmou que vai pedir a todos os governadores que concedam o mesmo perdão aos condenados nas instâncias estaduais, alegando que "assim como ninguém deve estar em uma prisão federal apenas devido ao porte de maconha, ninguém deve estar em uma prisão local ou estadual por esse motivo."

Além de conceder tal perdão, Biden declarou que pedirá ao Secretário de Saúde e Serviços Humanos e ao Procurador-Geral que iniciem o processo administrativo para revisar rapidamente como a maconha está classificada sob a lei federal. Atualmente, a droga está classificada no patamar das substâncias mais perigosas, como heroína e LSD, e em patamar mais alto do que drogas que estão causando surtos de overdose no país, como fentanil e metanfetamina.

"Muitas vidas foram reviradas por causa de nossa abordagem fracassada da maconha. É hora de corrigirmos esses erros", conclui o presidente no comunicado oficial.

Confira, na íntegra, o comunicado de Biden sobre a maconha:

Como eu sempre disse durante minha campanha para presidente, ninguém deveria estar preso apenas por usar ou possuir maconha. Mandar pessoas para a prisão por portar maconha derrubou muitas vidas e prendeu pessoas por conduta que muitos estados não proíbem mais. Os registros criminais por porte de maconha também impuseram barreiras desnecessárias ao emprego, moradia e oportunidades educacionais. E enquanto pessoas brancas, pretas e pardas usam maconha em taxas semelhantes, pessoas negras e pardas foram presas, processadas e condenadas em taxas desproporcionais.

Hoje, anuncio três passos que estou tomando para acabar com essa abordagem fracassada.

Primeiro, estou anunciando o perdão de todas as ofensas federais anteriores de simples porte de maconha. Eu ordenei ao Procurador-Geral para desenvolver um processo administrativo para a emissão de certificados de indulto para indivíduos elegíveis. Existem milhares de pessoas que têm condenações federais anteriores por porte de maconha, que podem ser negadas emprego, moradia ou oportunidades educacionais como resultado. Minha ação ajudará a aliviar as consequências colaterais decorrentes dessas convicções.

Em segundo lugar, estou pedindo a todos os Governadores que façam o mesmo em relação às ofensas estaduais. Assim como ninguém deve estar em uma prisão federal apenas devido ao porte de maconha, ninguém deve estar em uma prisão local ou estadual por esse motivo. 

Terceiro, estou pedindo ao Secretário de Saúde e Serviços Humanos e ao Procurador-Geral que iniciem o processo administrativo para revisar rapidamente como a maconha está programada sob a lei federal. A lei federal atualmente classifica a maconha no Anexo I da Lei de Substâncias Controladas, a classificação destinada às substâncias mais perigosas. Este é o mesmo cronograma da heroína e do LSD, e ainda mais alto do que a classificação do fentanil e da metanfetamina – as drogas que estão impulsionando nossa epidemia de overdose. 

Finalmente, mesmo que a regulamentação federal e estadual da maconha mude, limitações importantes ao tráfico, comércio e vendas para menores de idade devem permanecer em vigor. 

Muitas vidas foram reviradas por causa de nossa abordagem fracassada da maconha. É hora de corrigirmos esses erros.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS