Pensar Piauí

Guaribas: equipe do projeto Edula fala sobre expectativas após Seduckathon

O Pensar Piauí foi ao CETI Paulo Freire e conversou com os estudantes que irão aos Estados Unidos após vencerem a maratona.

Foto: Renato Rodrigues/Pensar PiauíRosângela Sousa, do MDS, os alunos Emily, Fabiana, Abriam, Raí e os professor Eraques Folha
Rosângela Sousa, do MDS, os alunos Emily, Fabiana, Abriam, Raí e os professor Eraques Folha

O CETI Paulo Freire tornou-se uma escola em tempo integral apenas em 2019 e foi a primeira instituição de ensino deste modelo em Guaribas, a 656,2 km de Teresina. O local estava no roteiro da visita do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e equipe do governo do Piauí composta por Sasc e Seplan no desenvolvimento do projeto de mobilidade socioeconômica.

A visita ocorreu na quarta-feira (8) e no prédio repleto de alunos avistava-se logo de pronto o passaporte gigantesco que indicava que ali, naquela escola, estavam cinco alunos e um professor que foram contemplados no Seduckathon, evento de programação e tecnologia desenvolvida pela Secretaria de Educação do Piauí. Junto a eles, outros 45 alunos e professores do estado selecionados na maratona farão um intercâmbio de um mês nos EUA e Coreia do Sul.

O pensarpiauí conversou com o professor Eraques Folha, orientador dos alunos de Guaribas no projeto Edula sobre as expectativas para a viagem. Eraques, um egresso da escola Paulo Freire foi um estudante de Gestão e Tecnologia da Informação pelo ProUni na Faculdade de São Paulo, estado em que passou oito anos entre estudos e trabalhos e agora retorna a sua comunidade para devolver todo o conhecimento adquirido. Aos 35 anos, o professor leciona em sua atual escola há um ano.

“Depois que nos classificamos, nos reunimos e começamos a montar ideias que pudessem solucionar problemas na escola”. Com este objetivo, a equipe desenvolveu uma Inteligência Artificial que articula soluções no processo de ensino e aprendizagem na escola.

Brilho no olhar de Guaribas

Foi uma festa gigante após os três dias de imersão no Centro de Convenções de Teresina. Primeira escola a ter seu nome lido pelo governador Rafael Fonteles durante a premiação, a equipe do CETI Paulo Freire foi recebida em Guaribas como verdadeiros campeões: com carreata e tudo.

“A emoção lá foi grande demais. Nosso nome foi o primeiro a ser falado e a gente se empolgou demais. Toda a comunidade de Guaribas festejou, familiares se reuniram, pessoas estavam em casa. Foi uma emoção conjunta, não só nossa, mas de toda a cidade”, relatou Eraques.

Foto: Renato Rodrigues/Pensar PiauíAlunos do curso de Desenvolvimento de Sistemas, eles foram responsáveis pela criação da plataforma Edula
Alunos do curso de Desenvolvimento de Sistemas, eles foram responsáveis pela criação da plataforma Edula

Raí Matias, um dos estudantes da equipe Guaribas-Seduckathon falou sobre a emoção de levar para fora do munícipio algo criado por eles e sobre a continuidade do projeto após a volta do intercâmbio.

“As expectativas são boas. Que pós-Seduckaton venham novas oportunidades, que serão a nossa luta após a viagem, que o intercâmbio nos Estados Unidos vai nos ajudar. A gente pretende seguir com nosso projeto após a viagem, porque é uma plataforma de ensino e aprendizagem que auxiliará aluno e professor selecionando materiais didáticos e avaliar os estudantes através de um diagnóstico, aonde a IA recomendará os métodos de ensino ao identificar as dificuldades”, relatou Raí. O projeto desenvolvido também auxiliará alunos com acesso à IA para identificar melhores planos de estudo individuais.

Legado freiriano

Para Paulo Freire existem duas formas de se educar: de um lado, a educação bancária, que castra as subjetividades e põe venda nos olhos e aquela que educa para a liberdade, de forma humanista. Ter este nome em uma escola é, acima de tudo, repensar-se enquanto aluno e educador.

“Por toda a história e contribuição que Paulo Freire teve para a educação, todo estímulo que ele teve para que cada professor e aluno ensinasse e aprendesse de maneiras diferentes é muito gratificante para nós representar nossa cidade e a escola Paulo Freire”, finalizou Eraques.

Equipe

Oriundos do Curso de Desenvolvimento de Sistemas ofertado nos Centros de Ensino Integral do Piauí, Abriam Pereira Lopes, Emily Dias Silveira, Fabiana Duarte Silva, Kanan Ribeiro da Silveira e Raí Matias Maia viajam para Massachusetts, na Costa Leste dos Estados Unidos em setembro e retornam em outubro.

O que é um hackathon?

Hackathon significa maratona de programação. O termo resulta de uma combinação das palavras inglesas “hack” (programar de forma excepcional) e “marathon” (maratona).

Sendo assim, o Hackathon é um evento que reúne programadores, designers e outros profissionais ligados ao desenvolvimento de software para uma maratona de programação, cujo objetivo é desenvolver um software ou solução tecnológica que atenda a um fim específico. 

A maratona pode durar entre um dia ou uma semana. E ao final, você terá soluções surpreendentes…

ÚLTIMAS NOTÍCIAS