Bolsonaro censurou notícias da Agência Brasil sobre assassinato de João Alberto

Reportagem da revista Época deste sábado (28) revela que a censura foi ordenada por escrito aos funcionários da Agência Brasil no dia 20 de novembro

Foto: Agência BrasilBolsonaro
Bolsonaro

A reportagem de Guilherme Amado no site da revista Época neste sábado (28), revela que a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que é comandada pelo governo Jair Bolsonaro, ordenou que a Agência Brasil ignorasse o assassinato de José Alberto Silveira Freitas, morto por dois seguranças brancos em uma loja do Carrefour em Porto Alegre.

A censura teria sido ordenada por escrito aos funcionários da Agência Brasil no dia 20 de novembro, mandando que o crime fosse ignorado nas redes sociais da agência – o que foi cumprido.

A EBC é presidida pelo publicitário Glen Lopes Valente, que foi alçado por Bolsonaro ao comando da empresa após atuar como chefe dos departamentos comercial e de marketing do SBT. Ele atuou ainda como vice-presidente de marketing do HSBC no Brasil e como responsável pela área na América Latina.

Bolsonaro e o vice, Hamilton Mourão (PRTB), negam que haja racismo no Brasil e que o crime está sendo usando de forma “ideológica”.

O presidente ignorou o assassinato de João Alberto, ocorrido na véspera do Dia da Consciência Negra, dizendo ser “daltônico”.

“Não nos deixemos ser manipulados por grupos políticos. Como homem e como Presidente, sou daltônico: todos têm a mesma cor”, disse.