“Devemos empurrar o PT mais para a esquerda”, diz Constantine

Confira uma entrevista exclusiva com ele que é dirigente de movimentos de moradores de favelas e periferias

Foto: You TubeAndré Constantine

 

Ele é André Constantine, do Rio de Janeiro e dirigente de movimentos de moradores de favelas e periferias.

Foi o entrevistado da semana do pensarpiaui

André contou como é a realidade das favelas em tempo de pandemia: “a classe média carioca diz que ‘estamos no mesmo barco’, mas não estamos não. Alguns enfrentam a pandemia a partir de um iate de luxo; muitos outros em botes e tábua de salvação em plena tempestade”. E para finalizar arremata: “nós favelados morremos de tiro, fome e covid”.

Constantine prega o fim da polícia militar. Para falar deste tema ele foi às origens da criação da instituição, no tempo do império, quando naquela ocasião uma de suas principais funções era proteger poucos abastados dos negros rebeldes. Segundo ele, que se diz sem segurança, é a própria população quem deve se proteger.

Filiado ao PT carioca, Constantine que vê o Partido como fundamental na reconstrução do país, ao mesmo tempo afirma que o PT esta conciliador e com uma direção de elite. “Devemos empurrar o PT mais para a esquerda”, diz ele