Esta semana o pensarpiaui entrevistou a dançarina, coreógrafa e teresinense Luzia Amélia. Ela se incorporou à luta dos moradores do encontro dos rios em Teresina que resistem a ação da Prefeitura para retirá-los do seu local de origem por conta do Projeto Lagoas do Norte.

Para Luzia Amélia “o Projeto Lagoas do Norte é ridículo. É um projeto oco, vazio. É interesseiro e higienista”. Ela fez duras críticas a equipe da Prefeitura de Teresina responsável pelo projeto e alertou o prefeito, o “Firmino tem que ter uma equipe com mais amor pela cidade. Eles são agressivos. Não conversam com a cidade. É um jogo muito sujo. Eles têm pavor de gente. É uma equipe irresponsável. O Firmino é sensível, mas não é bonzinho. O PSDB é elitista, terrível.”

Mas antes de tratar do Lagoas do Norte, Luzia falou de sua vida e da relação com a cidade. “Não me sinto Luzia em nenhum lugar do mundo, como me sinto Luzia em Teresina. Só consigo pensar em dança numa relação com a cidade. Tenho relação ancestral com Teresina. Meu avô era careta de reizado.”

Para Luzia, “a história da dança no Piauí foi deixada pelos homens pré-históricos” e quando ela viu uma sala de dança pela primeira vez na vida “aquilo me sugou e nunca mais voltei ao normal”   

A arte de Luzia está profundamente ligada às questões das mulheres, das negras e do povo pobre de Teresina e do Estado. “No Piauí acontece um banho de sangue. As vidas prestas não importam.” Mas ela mesmo sentiu de perto o preconceito e o racismo “quando comecei a ir para lugares de liderança como o comando da Escola de Dança do Piauí”. E também agora após a apresentação da performance “Banho de Sangue” nas escadarias da Prefeitura de Teresina. “Uma pessoa disse que eu merecia 20 chibatadas, outro que era falta de vassoura e mais um dizendo que era falta de trouxa de roupa para lavar.”

Veja a integra da entrevista:

 

Comentários no Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here