Por Eliara Santana, jornalista, no Viomundo

Na sexta-feira (05/07), a revista Veja trouxe a capa escancarando a parcialidade do ex-juiz e agora ministro Sergio Moro.

A reportagem bem completa mostrava mais conversas comprometedoras entre Moro e o “coordenador” da Lava Jata, o procurador Deltan Dallagnol.

Causou furor até na esquerda, que saiu em polvorosa para comprar a revista (já garanti a minha, mesmo de longe). E, na mesma edição, a matéria:

“Palocci: Lula desviou propina do PT para eleições no Peru e na Bolívia”.

Lembremos que a delação de Palocci está também sob suspeita e que ela é sempre requentada pela imprensa para atacar Lula.

E vamos observar também que a ideia de que o PT recebeu de fato propina já está confirmada pela chamada – não há versão em contrário.

E, então, no domingo (07/07), a Folha de S. Paulo  traz mais vazamentos, desta vez, mostrando articulações da dupla dinâmica para expor dados sigilosos sobre a Venezuela.

No entanto, a Folha de S. Paulo, na versão impressa, traz a seguinte manchete: “Maioria critica a conduta de Moro, mas considera justa prisão de Lula”

O velho “mas” modalizador da Folha, tantas vezes usados quando o assunto política econômica era positivo para os governos petistas, volta à cena.

Ele cumpre a função, entre outras, de tirar o impacto positivo do primeiro enunciado (Maioria critica a conduta de Moro), modalizando com outra informação de peso.

Desta vez, o “mas” é usado para reforçar a ideia de que a maioria da população acha “justa” a prisão de Lula.

E na capa, a chamada sobre os vazamento envolvendo a Venezuela ocupa um espaço pequeno na coluna à esquerda.

O que une a edição da Veja e a capa da Folha, além de estarem trabalhando em parceria com The Intercept Brasil?

O desejo não abertamente declarado pela não libertação de Lula.

Exatamente isso: a imprensa que criou o herói Moro e deu poder total à Lava Jato, mesmo expondo agora todas as articulações feitas pelo ex-juiz e seus colegas, NÃO QUER LULA LIVRE.

A voz a confirmar esse “desejo” é, de novo, da “a maioria da população brasileira”, segundo a Folha.

Caberia perguntar qual maioria, de que brasileiros estão falando.

O essencial é que os campos à esquerda não se deixem enganar novamente pelo canto da sereia: LULA LIVRE não é a pauta da mídia corporativa, apesar da importância da divulgação por ela.

Não sabemos o que virá em termos de vazamentos, e creio serem bastante comprometedores.

Mas o certo é que vão querer tirar “o bode” da sala para que se mantenham as estruturas já vigentes.

Lembremos sempre a máxima de Lampedusa: “É preciso que tudo mude, para que tudo continue como está” (O Leopardo).

Moro será rifado pela imprensa, mas isso não vai significar defender a liberdade de Lula, defender que ele foi preso injustamente, defender que toda a imprensa fechou os olhos e se calou enquanto Moro agia livremente.

Glenn e o The Intercept Brasil estão obrigando parte da imprensa corporativa brasileira (resta o JN…) a fazer jornalismo. Mas por enquanto.

Está no DNA dessa imprensa não gostar de Lula, dos movimentos de esquerda, e isso é mais do que visível.

E, novamente, para dar o ar de imparcialidade e credibilidade de sempre, recorrem a uma opinião publicizada (porque construída e induzida) para ser a voz de autoridade a dizer: Moro errou, mas a prisão de Lula é correta.

Isso não deveria nem mesmo ser cogitado pela manchete da Folha, pois as articulações de Moro provam que o processo de Lula foi totalmente viciado, ou seja, ele foi condenado sem provas.

A questão central a se considerar, apesar do momento “fofura” da mídia comercial é: Moro se tornou herói pelas manchetes, capas e chamadas nos jornais, revistas e TVs; a Lava Jato ganhou aura de intocável pelo mesmo caminho.

Nunca houve qualquer questionamento a Moro, mesmo quando ele, após condenar o principal candidato, se tornou ministro do outro candidato que venceu as eleições.

Talvez Veja e Folha estejam surfando na onda do The Intercept Brasil para conquistarem mais credibilidade, fingindo não ter lado. A saber pelos próximos capítulos.

Portanto, podemos comprar a Veja e voltar a ler a Folha sem culpa, mas sem nos esquecermos também de que a lógica que move os grupos empresariais de mídia – e é disso que se trata – é a disputa pelo poder.

 

Comentários no Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here