Por Sâmia Menezes, jornalista

Piauí pode registrar caso de rufianismo na cidade de Cocal.

A prática é considerada ilegal e envolve o comércio de mulheres. O artigo  230 do Código Penal tipifica o rufianismo como tirar proveito da prostituição alheia, participando diretamente de seus lucros ou fazendo-se sustentar, no todo ou em parte, por quem a exerça: Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa. A pena é agravada se a vítima é menor de 18 (dezoito) e maior de 14 (catorze) anos ou se o crime é cometido por ascendente, padrasto, madrasta, irmão, enteado, cônjuge, companheiro, tutor ou curador, preceptor ou empregador da vítima, ou por quem assumiu, por lei ou outra forma, obrigação de cuidado, proteção ou vigilância: pena – reclusão, de 3 (três) a 6 (seis) anos, e multa. Outro fator de agravamento da pena para rufianismo  é  se o crime é cometido mediante violência, grave ameaça, fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação da vontade.

A denúncia foi feita pelo Programa Notícias da Boa, da TV Meio Norte, e repercutida pela jornalista Cinthia Lages em seu blog Universo Mulher. O caso esta sendo investigado pela polícia de Cocal, cidade a 250 km de Teresina, e se deu na Casa de Mel do Sotiê.

“Durante o evento, que comemoraria o aniversário de uma mulher identificada como “Juliana”, o presente seria para um dos frequentadores . Através do corte de um bolo, o “pedaço da sorte” possibilitaria que o cliente tivesse uma noite especial ao lado da mulher. A  notícia da festa foi feita pelo Blog do Coveiro, site que divulga informações da cidade.”, registra Cinthia Lages.

Após a denúncia feita no programa de tv, a “reportagem” foi excluída do site. A delegada Eugênia Villa, ouvida pela reportagem, informou, ainda, que a investigação também vai apurar se o estabelecimento é legal e se há a existência de menores nesse tipo de evento. “Na “reportagem” , Wenddel Veras, responsável pelo  Blog do Coveiro ” insinua que já ocorreram outras festas semelhantes. Ao falar sobre o método para a escolha do “agraciado” com a noite especial, ele escreveu ” como é de praxe neste tipo de evento”. O convite, feito no nome do proprietário, prioriza o ” público masculino”.”

Eugênia lembrou que a região litorânea, na qual se insere o município é a segunda em número de casos de feminicídios no Piauí. O empresário  Olavo Felix, apontado como responsável realização da “festa”, ocorrida no último dia 7, não foi encontrado pela reportagem.

Comentários no Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here